Início Notícias Polí­cia Operação mira empresas de fachada usadas para fraudar licitações

Operação mira empresas de fachada usadas para fraudar licitações

O grupo investigado agia em todo Espírito Santo e chegou a participar de concorrência em municípios como Marataízes

A criação de empresas de fachada, por sócios laranjas, para a prática de fraudes em licitações no ramo de confecções de uniformes para órgãos públicos entrou na mira do Ministério Público Estadual. O grupo investigado agia em todo Espírito Santo e chegou a participar de concorrência em Marataízes, no sul do Espírito Santo.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco-Central), com apoio da Polícia Militar, deflagrou nesta quarta-feira (12) a Operação Trama Real, para apuração de crimes de falsidade ideológica.

- publicidade -
parceria – bruna-giu-doce-mania-15-10-2018-iniciado
ellomais – promocao 09/2018
oba restaurante 6 meses
Açai do Carioca
vandinho lanches
Banner cobertura de eventos
Pi 29980
senarp

A operação consiste, inicialmente, no cumprimento de mandados de busca e apreensão na sede de três empresas localizadas em um mesmo endereço em Vila Velha e nas residências dos sócios do negócio. Os mandados foram expedidos pela 3ª Vara Criminal de Vitória

Foi identificada a participação dessas empresas em licitações nos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra, Cariacica, Viana, Aracruz, Marataízes, Sooretama e Marilândia. Duas dessas empresas já foram alvo de investigação, em 2012, do Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas e à Corrupção (Nuroc) da Polícia Civil, que comprovou a utilização de “laranjas” para constituição de empresas de fachadas e fraudes de licitação no ramo de uniformes em diversos municípios do Espírito Santo, incluindo a Grande Vitória, durante a Operação “Mickey Mouse”.

As investigações realizadas pelo MPES revelam indícios de reiteração de condutas criminosas com a criação de nova empresa de fachada para burlar restrições impostas às outras empresas cujas fraudes foram constatadas pela Polícia Civil.

Os integrantes do MPES analisam agora os documentos apreendidos, os depoimentos de testemunhas e dos investigados, além de requisição de documentos perante órgãos municipais e estaduais, pois se apurou a participação dessa nova empresa em, ao menos, dez licitações públicas do Estado do Espírito Santo.

Fonte: Jornal Fato

Leia também:

Comente com seu Facebook!

Pi 029980
WINDEX 12 MESES
cdtec
unisa
Oito ervas campanha 2018
Via sul Telecon
Terra Academia
Banner Innovar
ITA 21-02 a 21-08