Início Notícias Geral Tios adotam sobrinho após morte da mãe biológica por câncer e mantêm...

Tios adotam sobrinho após morte da mãe biológica por câncer e mantêm nome dela no registro, em Orizona

No documento, criança tem duas mães e um pai. Iniciativa do MP foi acatada pelos familiares e pela Justiça. Bebê conviveu 1 ano e 4 meses com a mãe biológica.

Como forma de homenagear a mãe biológica do filho adotivo, um casal aceitou a sugestão do Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) e manteve o nome dela na certidão da criança, em Orizona, no sul do estado. O pai adotivo de Eduardo Cardoso, hoje com 8 anos, é também tio biológico dele e, junto com a esposa, assumiu a criança desde que a irmã morreu por causa de um câncer no fígado. Com isso, Eduardo tem, no documento, duas mães e um pai.

O pedreiro Márcio Cardoso da Silva, de 35 anos, contou que a irmã e o filho conviveram pouco tempo juntos e que, desde que descobriu a doença, a principal preocupação dela foi garantir que Eduardo recebesse os cuidados e uma boa criação. Segundo ele, as outras quatro filhas dela já eram crescidas e foram morar com o pai, que nunca assumiu ou registrou o caçula.

“Quando ele tinha 1 ano e 2 meses ela começou a sentir muitas dores na barriga. Eles moravam no Pará e vieram para cá para ficar aqui em casa e ela ir ao médico. Logo ela descobriu a doença o médico disse que já estava em estágio terminal. Até fizemos tratamento, mas ela viu que não estava mais dando conta e pediu para criarmos ele”, contou.

Márcio conta que a esposa, a dona de casa Lúcia das Graças Faavreda, de 45 anos, já ajudava a cuidar do Eduardo, mas, assim como ele, não queria deixar de dar esperanças para a cunhada de que ela poderia melhorar e ela mesma cuidar do filho. No entanto, quando o menino tinha 1 ano e 4 meses, ela morreu.

- publicidade -
ellomais – promocao 09/2018
parceria – bruna-giu-doce-mania-15-10-2018-iniciado
senarp
Pi 29980
Banner cobertura de eventos
vandinho lanches
Açai do Carioca
oba restaurante 6 meses

O casal recebeu a guarda temporária da criança e logo correu atrás da adoção, que durou cerca de seis anos para ser oficializada. Durante o processo, o promotor Paulo Penna Prado se sensibilizou com a história e sugeriu que a Justiça autorizasse que, além do nome do casal, o nome da mãe biológica também ficasse no registro.

Leia também:

Comente com seu Facebook!

Pi 029980
WINDEX 12 MESES
Banner Innovar
unisa
cdtec
ITA 21-02 a 21-08
Oito ervas campanha 2018
Via sul Telecon
Terra Academia